Um Lar chamado Afeto

A ONG surgiu com a necessidade de alguns pais e mães que tiveram o diagnóstico do Espectro Autismo nos filhos. Eram seis pessoas em busca de tratamentos adequados para a patologia, que até então, não era popular no Recife.

“No início, em 2006, éramos seis pais e mães buscando informações. Para quem ama, o céu é o limite, então fomos atrás de profissionais capacitados fora do Estado para nos dar orientações sobre o Autismo”, afirma Ângela Lira, presidente da Afeto.  

A partir de então, começaram- se as descobertas e conquistas. Em 2005, aconteceu o primeiro Seminário de Autismo em Pernambuco Promovido pela Afeto. Objetivo era falar do transtorno comportamental em Pernambuco, que até então, era pouco conhecido. Em 2012, percebeu-se a alta demanda, pois a falta de profissionais capacitados era grande e a Instituição trouxe a 16º Jornada de Autismo, o maior evento do segmento do Brasil.

2dd671ad-2c2d-44db-814c-1d28c3898f44.jpg

Sempre em busca das melhores referências para cuidar, de forma assertiva, das crianças com autismo, a ONG foi atrás do Professor Caio Miguel, PhD, especialista em comportamento e referência mundial. Ele atualmente é professor titular da Universidade de Sacramento dos Estados Unidos.  

Dr.Caio não só adotou a ONG, como capacitou os profissionais para atenderem às crianças autistas. E, em 2014, a Instituição iniciou o atendimento com profissionais capacitados e treinados para tratar, da melhor forma, o autismo.

A ciência a qual a Afeto trabalha é a Análise do Comportamento Aplicada (ABA), única cientificamente comprovada que traz resultado eficaz. O tratamento consiste em treinar as habilidades de cada criança, fazendo com que ele seja o mais independente possível.

Atualmente, a ONG tem 44 profissionais trabalhando na instituição, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, pedagogos, todos com certificação internacional, treinados e orientados com cursos de análise do comportamento.

b0249714-5db3-47c5-9a48-bcd63e16cd6a.jpg

A ONG vive de doações. Algumas crianças são bolsistas – não pagam nada para receberem os tratamentos – e outras entram na instituição pelo plano de saúde. 

Todos os profissionais que trabalham na área de saúde são remunerados. Para ajudar nas despesas, as mães vendem artesanatos feitos por elas mesmas em algumas feirinhas do Recife para arrecadar verba para a Instituição.

PALESTRA – No dia 18 de maio, o Centro de Formação de Professores Paulo Freire receberá um Workshop sobre autismo ministrado pelo professor Thomas S. Hibbee. O encontro acontecerá das 8h às 12h e para participar, precisa se inscrever no site www.asssociacaoafeto.com.br. O valor do ingresso custa R$ 100.